Ética é o conjunto de valores, ou padrões, a partir dos quais uma pessoa entende o que seja certo ou errado e toma decisões. A ética é importante por que respeita os outros e a dignidade humana.
Domingo, 22 de Maio de 2011
A memória da vida e da morte




A Acção Animal lançou uma campanha contra a tourada. Começo por dizer que não acho legítimo que se ponham, com se põem neste vídeo, em pé de igualdade os direitos das mulheres aos direitos dos animais. Uma sociedade que comece a equiparar estes direitos chega a um beco sem saída. Se aos animais aplicarmos os direitos humanos estaremos a fazer um paralelo que retira aos humanos toda e qualquer ideia de civilização. Ou seja: toda e qualquer ideia de ética e de moral.


O que confere direitos especiais à nossa espécie é exactamente ser a nossa espécie. Dotada de consciência colectiva, de memória e de cultura. Defendo que os animais são sujeitos de direitos e que esses direitos são culturalmente mutáveis. Respeito e compreendo quem ache a tourada um espectáculo bárbaro. Mas humanizar os animais, do ponto de vista dos direitos, é a pior forma de fazer este debate. Além de tornar a coerência de posições absolutamente impossível, relativiza e banaliza a própria noção de direitos humanos.

Se o anúncio quer apenas dizer que a “tradição” não é argumento que chegue para defender a tourada, assino já por baixo. Mas dizer isso não fecha a conversa. Porque ser tradição também não é argumento que chegue para condenar a tourada. Interessa saber o que quer dizer esta tradição.

E foi exactamente isto que tentei debater num texto que publiquei, a 5 de Julho de 2002, já lá vão cinco anos, no jornal “Público”. Nesse texto discordava da posição do Bloco de Esquerda sobre o fenómeno de Barrancos. Estávamos em plena polémica sazonal sobre a matéria e o Parlamento preparava-se para legislar sobre o assunto.

Publico aqui um excerto desse texto que tinha como título “Barrancos e o Direito à Memória”. O excerto é aquele que não trata da questão da autoridade do Estado em Barrancos nem dos touros de morte, assunto que então apaixonava a discussão e que, na introdução, considerei não ser o essencial. Como esta campanha agora demonstra (e ainda bem), o essencial era então e é hoje a aceitabilidade ou não da tourada nas sociedades modernas.

Aqui vai, recordado que é outro o contexto. Entre parênteses rectos está uma parte que por falta de espaço saiu do texto publicado à data.

«Não estão em discussão os direitos dos animais. Se estivessem, coerentemente se estaria a debater a proibição da tourada, toda ela. O touro sofre mais na espera pela morte do que com a morte na arena. Se estivessem, o transporte de animais e o tratamento indigno na indústria pecuária seria a prioridade. Se estivessem, seria discutida a forma de garantir a sobrevivência da espécie depois do fim da única actividade que garante a sua existência.

Não está em causa o argumento da tradição. Tradições há muitas. Há quem apedreje mulheres adúlteras, há quem dê vinho crianças de tenra idade, há quem ofereça as suas filhas em troca de um dote. Não defendo a tradição por ser tradição. O mundo muda e devemos lutar para que mude. (...)

O que está então em discussão?

A legitimidade do espectáculo da violência. A tourada é uma encenação da relação violenta do homem com a natureza. É a arqueologia rural dessa relação. A celebração da morte e a celebração da vida, da sobrevivência e do domínio do homem sobre as forças naturais. De um tempo em que o homem dependia desse domínio para sobreviver. Dir-se-á que esse é hoje um espectáculo anacrónico. Será, mas da sobrevivência destes sinais do passado depende a sobrevivência de uma memória que favoreça a relação directa com a natureza.

[E é porque, demasiadas vezes, nos esquecemos dessa dependência que, no processo de industrialização, vamos destruindo todos os recursos como se deles não dependesse a sobrevivência da nossa espécie. Celebrar a morte de um animal é celebrar a nossa vida. Humanizar os animais é esquecer esta relação de dependência física. Quando tratamos os animais como se fossem humanos estamos a levar a nossa arrogância ao limite: achamos que podemos negar aos animais os seus instintos e aos homens a sua condição de predadores. A pergunta é esta: saberão hoje as nossas crianças que não é a maldade que faz um animal matar o outro? Que a natureza não se rege por regras morais e que é essa a absoluta excepcionalidade da espécie humana? Os paralelos entre os as regras de convivência humana e a natureza podem parecer sedutoras, mas são assustadoras. Parecendo que entregam ao mundo animal a cultura humana, retiram aos homens toda a sua história.]

A tourada é um sinal de resistência à industrialização da vida e da morte. O espectáculo da morte do touro, em Barrancos, é em tudo semelhante ao da matança do porco, é aquele que nos mostra de onde vem a nossa vida, que nos diz da nossa dependência em relação à natureza. Na matança do porco, a celebração é privada e familiar, na matança do touro ela é pública e comunitária.

É também a resistência de uma cultura rural em relação a uma cultura urbana. A cultura da cidade e do domínio tecnológico sobre a natureza é, não escondo, mais tolerante e multicultural. Mas ela aflora, neste como noutros casos, uma hegemonia intolerante e insensível aos processos de afirmação de identidade do mundo rural.»




publicado por Maluvfx às 08:31
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Benefícios da Vitamina C

“Vermelho e Negro”

Cavalos e Pessoas II

Cavalos e pessoas I

POR QUE AS TOURADAS SÃO F...

Ponto de Vista VITAL: “A ...

O homem é superior aos an...

"A transmissão das tourad...

Touradas

Por isso é muito difícil ...

arquivos

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Maio 2006

Dezembro 2005

Outubro 2003

Julho 2002

tags

todas as tags

favoritos

ANTI-TOURADAS

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds