Ética é o conjunto de valores, ou padrões, a partir dos quais uma pessoa entende o que seja certo ou errado e toma decisões. A ética é importante por que respeita os outros e a dignidade humana.

Quarta-feira, 22 de Agosto de 2012
VOCÊ NA TV: TOURADA DE VOLTA A VIANA DO CASTELO

Em 2009 a Câmara Municipal de Viana do Castelo decidiu proibir a realização de corridas de touros no concelho. A cidade e respectivo concelho assumiam-se então como anti-touradas. Três anos depois uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga viabilizou a realização de uma corrida de touros no passado domingo, na freguesia da Areosa (Viana do Castelo). A decisão dividiu vianenses e lançou de novo a discussão sobre o tema da corrida de touros em Portugal.

Na semana passada, a Prótoiro realizou uma tourada após decisão a favor do tribunal, tendo gerado a polémica.

Clique aqui e assista ao vídeo

Comentários no mural de Manuel Luís Goucha

https://www.facebook.com/manuelluisgouchatvi/posts/449982065025135

https://www.facebook.com/manuelluisgouchatvi/posts/450295758327099


publicado por Maluvfx às 08:45
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Terça-feira, 21 de Agosto de 2012
Manifestação Anti-tourada - Viana 19 de agosto 2012 (vídeos)


A manifestação contra a tourada em Viana do Castelo juntou mais de 300 pessoas, destacando-se claramente como a maior já organizada fora de Lisboa nos últimos anos.


publicado por Maluvfx às 12:37
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

O Estado defensor da imoralidade tauromáquica
A realização de uma tourada no passado dia 19 de Agosto na única cidade antitouradas de Portugal, contra a decisão da Câmara Municipal de Viana do Castelo que não a autorizou, mas que contou com a complacência de um juiz de um tribunal de Braga, levou-me a refletir sobre o assunto e a levantar algumas questões, relacionadas com a suposta imparcialidade das várias instituições no que diz respeito à elaboração e ao cumprimento das leis que eles próprios criaram.

No caso referido, não deixa de ser curioso o facto da providência cautelar da associação de torturadores de animais ter sido posta num tribunal de Braga e não do de Viana do Castelo, local onde propunha realizar a tourada. Será que o juiz de Braga era um juiz amigo?
[[Neste caso a jurisdição administrativa era da Competência de Braga. O Tribunal de Viana é só judicial.]]

Até serem legalizadas as touradas de morte em Barrancos, com uma ajudinha do ex-presidente da República, Jorge Sampaio, amigo da tortura animal, foram cometidas ao longo de vários anos inúmeras ilegalidades sem que os prevaricadores tenham sido devidamente punidos. Uma vez mais, estiveram os poderes instalados ao serviço do retrocesso civilizacional e da imoralidade.

Nos Açores, a situação é por demais semelhante ao que se passa a nível nacional e até internacional. Se não fossem os apoios do Governo Regional e, pasme-se, da própria Assembleia Legislativa Regional que promove touradas, das autarquias, com destaque para as Câmaras Municipais de Angra do Heroísmo e da Praia da Vitória, as touradas de praça já tinham acabado e as de corda estariam reduzidas. Além disso, não poderá ficar esquecido o agrupamento de Estados denominado União Europeia que dizendo apoiar a agricultura ou a agropecuária hipocritamente subvenciona a criação de touros para serem torturados em espetáculos degradantes e violentos.

Deixando de lado as leis que são imorais pois, condenando os maus tratos animais, abrem exceção relativamente aos touros, se analisarmos a atuação das entidades que deviam zelar pelo cumprimento da lei, chegaremos à conclusão que a única legislação que é cumprida no que se refere a touradas é a lei da selva.

Já foram denunciadas, que eu saiba, à Direção Regional da Cultura (ou melhor Direção Regional da Tortura) a realização de uma tourada em Dia de Luto Nacional e a presença de crianças com menos de seis anos em diversas touradas, na ilha Terceira. No primeiro caso a resposta foi do género: “não sabíamos que José Saramago ia morrer” e no segundo caso, até há algum tempo, o silêncio absoluto.

No caso da presença das crianças que lá estão levadas pelos familiares, embora em muitos casos chorem de medo, como já foi denunciado por quem já assistiu, as entidades fecham os olhos pois sabem que não é apenas a chamada arraia-miúda que o faz mas também pessoas que ocupam os mais altos cargos governamentais e autárquicos.

A presença da polícia muitas vezes não é para obrigar o cumprimento da lei, mas sim para garantir a segurança de espetáculos que nem cumprem o estipulado nas leis, nomeadamente em termos de licenciamento e de publicidade. Para confirmar o mencionado basta consultarem os cartazes que divulgaram as touradas à corda promovidas por comissões de festas, da Igreja Católica, da Pedreira de Nordeste, dos Aflitos ou de Santa Bárbara (Ribeira Grande). Em dois dos casos, a não indicação da proveniência dos touros (por vezes bezerros que deixaram a “fase de aleitação” há pouco tempo) poderá estar associada a uma tentativa de fuga aos impostos por parte dos seus donos.

Sabendo que o que se pretende é acabar com o desnecessário sofrimento animal, será que podemos confiar cegamente nas entidades que tudo têm feito para que as coisas continuem como estavam no início do século passado ou em alguns casos pior?

Mas, perante uma conjuntura desfavorável, os amigos dos animais não devem desistir. Devem auto-organizar-se em associações ou em grupos informais e assim combater a indústria tauromáquica, denunciando os seus negócios sujos, todas as irregularidades e rebatendo todas as inverdades que é por eles transmitida.

Só conseguiremos uma sociedade melhor para todos, animais(não humanos) incluídos, se formos capazes de romper o cerco de alguma comunicação social e se conseguirmos fazer chegar a mensagem da verdade à maioria da população açoriana.

Manuel Soares


Nota - A itálico estão comentários feitas pelo CAPT


publicado por Maluvfx às 09:47
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Como os aficionados contribuem para a luta antitourada
Nos últimos dias, a propósito das festas de Viana do Castelo, muito se tem falado de touradas.
Em 2009, Viana do Castelo tornou-se oficialmente uma cidade antitourada, integrando a rede de cidades saudáveis. A decisão, para além de pacifica acolheu a simpatia dos Vianenses e de gente de Portugal Continental, ilhas e por outros cantos do mundo.

Nos últimos tempos, o lóbi tauromáquico tem enfrentando grandes dificuldades. Dificuldades essas que não são mais do que os frutos de um desenvolvimento social, cívico e do crescimento de uma conscencialização ecológica. Por outras palavras: progresso.


As investidas do lóbi tauromáquico para contrariar e estagnar o desenvolvimento da consciencialização social das populações têm sido um tanto desastrosas para si próprios e benéficas para a causa antitourada.
Há não muito tempo, aquando dos projetos de lei do Bloco de Esquerda e PEV, que entre eles, sugeriam o fim dos apoios públicos à tauromaquia, rapidamente saltaram vozes que juraram de pés juntos que a tauromaquia, para além de não receber um cêntimo do Estado, eram rentável para as autarquias. Essas afirmações passam a ser particularmente curiosas quando se tem conhecimento da afluência de empresários tauromáquicos à sessão pública, organizada pelo BE, para discutir as mesmas propostas. Dizem as noticias que a sessão ficou marcada por insultos por parte dos aficionados, diz, quem lá esteve, que ficou ainda marcada pela falta de capacidade de argumentação e por um vocabulário pobre e desarticulado dos aficionados, confirmando assim (e eu nunca precisei de confirmação) as personalidades tendencialmente agressivas de quem assiste a touradas, e a baixa instrução de quem não tem a capacidade de adaptar tradições à realidade atual.


Mas afinal, se as pessoas que vivem às custas das touradas não recebem apoios públicos, porque se apressaram em ir defender o seu “quinhão”? Não faz sentido, é pouco credível. Se houve quem acreditasse na inexistência de apoios deixou de acreditar. No meio das trapalhices aficionadas, ganhou a causa antitourada.

Em Viana a situação repete-se. A elevação da cidade a primeira cidade antitourada de Portugal agradou a população. Agora, os aficionados, em mais uma investida atrapalhada, sem capacidade de medir as consequências, decidem fazer uma tourada em Viana.

A população foi clara: não os querem lá. A tourada em Viana foi polémica por vários motivos: primeiro pelo desrespeito do lóbi tauromáquico pela cidade e pelas suas gente; segundo pelo desrespeito ao poder local; terceiro porque uma tourada nunca é uma coisa boa.
As condições em que o circo foi montado, gerou a indignação de muita gente, por se traduzir em mais um ataque ao poder local - afinal os tribunais podem contrariar a vontade do povo para servir interesses de lóbis? Depois de todos os ataques dos últimos tempos, ainda há quem respeite o poder local em Portugal? A população de Viana sente-se desrespeitada, viram a sua vontade violada e as suas festas manchadas. A causa antitouradas cresceu.

Outro episódio curioso são as investidas na ilha de São Miguel. Há dois dias, na minha passagem pelo aeroporto de Ponta Delgada, a caminho da minha terra natal - Angra do Heroísmo, deparei-me com um quiosque que transmitia a barbárie da minha própria terra - a tourada à corda. Primeiro chamou-me a atenção as expressões das pessoas que olhavam para um monitor. Eram turistas, provavelmente nórdicos pela cor da pele e cabelo e o seu olhar era claro como água: o repúdio total. Achei ainda curioso os comentários de senhoras com alguma idade que de forma pausada e com o sotaque próprio da ilha diziam algo como “mas perquié quéssa gente não se põe a lê um livre em vez d'a atormentá os biches? Ome, certamente!”. Prova de que não é preciso estar-se na “flor da idade” para perceber o óbvio. No aeroporto de Ponta Delgada, parece ganhar também a causa antitourada.

O desespero de quem vive à custa de uma prática bárbara como a tourada, têm-se tornado, de maneira implícita, um aliado da luta pela fim das touradas em Portugal (sem esquecer os Açores) e no Mundo. Há que saber continuar a tirar todo o proveito dele.
Os touros, cavalos e toda uma sociedade que repudia a violência gratuita, agradecem aos desesperados.



Francisca M. Ávila
Angra do Heroísmo, 21 de Agosto de 2012

Fonte


publicado por Maluvfx às 09:31
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Testemunhos de uma Vianense!

Sei que tudo se passou durante as festas da cidade e essa época é propícia aos excessos, nomeadamente uns copos a mais e para os mais agressivos, algumas drogas mais ou menos leves. Mas tendo estado eu presente, ainda não tinham chegado os primeiros manifestantes, custa-me a crer que esta reportagem tenha sido feita no mesmo dia e/ou no mesmo local onde tudo se passou.
Quem vê a reportagem pode ser levado a entender que foram os manifestantes que provocaram os conflitos. Mais uma vez eu estive lá e tudo começou com o senhor de camisa azul e completamente alterado. Sem que ninguém sequer tenha começado com os habituais gritos de ordem, esse senhor que me pareceu da organização (acho eu) abordou os manifestantes com insultos de forma extremamente grosseira. Como é óbvio, os manifestantes não gostaram e responderam. Em seguida, quando a PSP estava a falar calmamente com os manifestantes, explicando que teriam de abandonar a propriedade, chegou o camião com os toiros. Como é óbvio, tratando-se de um veículo pesado, convém ter bastante espaço para passar e havendo muita gente por perto, convém que o faça devagar. Pois fiquem a saber que não houve tentativa nenhuma de vedar a passagem do dito camião. O motorista nem sequer esperou que os agentes desimpedissem o caminho. Curiosamente só um manifestante se colocou na frente do camião e foi abalroado pelo mesmo. Parece que ninguém da RTP estava lá a ver isto, ou se estavam deveriam ter vergonha de terem dito o que disseram.
Depois, gostei muito das declarações do "senhor" da Protoiro, a dizer que estavam cerca de 70 manifestantes. Se repararem bem nas imagens vê-se lá atrás que são bem mais, e as imagens dessa declaração foram feitas já depois da tourada e quando se encontravam muitos menos manifestantes. Já agora, éramos cerca de 300.
A única razão que dou aos aficionados em geral e à organização em particular, é a do clima hostil que se criou. Como expliquei, foram "eles" que começaram, mas não é com insultos que se respondem a insultos. E alguns dos manifestantes recorreram MUITO a esta arma que apenas deve ser utilizada por aqueles que já não têm argumentos válidos, que não é de certeza o nosso caso.

Maria da Conceição


publicado por Maluvfx às 08:00
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Como querem ser chamados? Torturadores de touros e cavalos?



publicado por Maluvfx às 05:41
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Segunda-feira, 20 de Agosto de 2012
Viana manifesta-se contra a tourada
Apenas o Esquerda.net entrevistou as organizadoras da manifestação, tendo a SIC, televisão onde não passam touradas, sido a única que mostrou imagens da manifestação. Foto de Dalila Teixeira

A mensagem de (quase) todas as reportagens é a de que os confrontos físicos entre manifestantes e aficionados apenas foram evitados pela atuação da polícia. Mas quem esteve lá viu aficionados a passar pelo meio da manifestação, provocando com insultos e gestos ofensivos, sem que nada lhes tenha acontecido

As festas da Senhora D'Agonia são as mais importantes em Viana do Castelo. As ruas enchem-se de gente para ver os cortejos em que são exibidos trajes tradicionais, “gigantones e cabeçudos” e “zés p'reiras”. Como é habitual nestas festas, há carrocéis, carrinhos de choque, farturas e tudo o que se encontra nas feiras portuguesas. Mas este ano houve algo de novo: a festa foi manchada com uma tourada.

Desde 2009 que a Câmara de Viana erradicou do concelho as touradas. Depois de ter declarado a cidade como anti-touradas, a autarquia decidiu adquirir a praça de touros para a encerrar à atividade tauromáquica. Durante três anos não houve tourada e a população não sentiu a sua falta. Mas os empresários tauromáquicos não perdoaram a ofensa e, tendo formado a ironicamente designada federação Prótoiro, resolveram organizar uma tourada de novo em Viana, em praça amovível.

Contra esta provocação gratuita, um grupo de cidadãs de Viana começou a mobilizar-se, via internet, para organizar um protesto. A notícia espalhou-se e a manifestação contra a tourada acabou por contar com mais de 300 pessoas, destacando-se claramente como a maior já organizada fora de Lisboa nos últimos anos. Na manifestação estiveram presentes várias associações de defesa dos animais e culturais, assim como aderentes do Bloco de Esquerda. O ex-presidente da câmara responsável por declarar Viana como concelho anti-touradas, Defensor Moura, também marcou presença.

Ao som de batuques e de frases como “Festas D'Agonia sem tauromaquia” ou “Tortura de animais em Viana nunca mais”, a população de Viana expressou a sua indignação. À medida que o público entrava para a arena, tornava-se claro aquilo que toda a gente já sabia: que a Prótoiro trouxe gente de fora, inclusive do sul do país, dado que não há em Viana suficientes “aficionados/as” para pagar 20€ por uma tourada.

Para além das provocações habituais dos toureiros, a manifestação teve ainda de lidar com a atitude agressiva de um corpo policial pago pela Prótoiro para impedir o acesso de manifestantes ao terreno onde foi montada a arena. A polícia contratada começou por tentar arrastar a manifestação para um local afastado, onde seria invisível, mas o cordão foi fraco demais para conter toda a gente e a manifestação acabou por se realizar em frente à arena. Devido sobretudo à agressividade de um polícia que se recusou a identificar, por mais de uma vez os ânimos exaltaram-se, tendo uma carga policial sido evitada pela atitude conciliadora da organização.

Tribunal autorizou a ilegalidade

O pedido de licenciamento da tourada foi rejeitado pela Câmara de Viana com base nas leis de ordenamento do território. O terreno onde foi montada a arena amovível está classificado como Reserva Agrícola Nacional e Reserva Ecológica Nacional, estando ainda integrado na rede de áreas protegidas europeia Natura 2000, pelo que até a construção de um pequeno barraco para uso dos agricultores requer uma autorização especial. Mas a federação Prótoiro interpôs uma providência cautelar junto do Tribunal de Braga, argumentando que a autarquia não poderia impedir um espetáculo que é permitido pela lei, tendo conseguido um veredicto favorável num processo que foi concluído em tempo recorde.

A autarquia, que nem sequer foi ouvida no processo, reagiu de imediato interpondo um recurso. Mas desta vez o tribunal não foi tão expedito, tendo dado na sexta-feira um prazo de cinco dias para a organização da tourada responder às questões da autarquia. Uma decisão que, na prática, permitiu à Prótoiro realizar a tourada, apesar de estar a violar a legislação de proteção do território e apesar de estar numa cidade anti-touradas.

Campanha de desinformação

Quem tiver acompanhado as notícias da manifestação pela comunicação social terá visto como a mensagem presente em (quase) todas as reportagens é a de que os confrontos físicos entre manifestantes e aficionados apenas foram evitados pela atuação da polícia. Mas quem esteve lá viu aficionados a passar pelo meio da manifestação, provocando com insultos e gestos ofensivos, sem que nada lhes tenha acontecido. A violência estava presente, mas apenas do lado de quem se diverte com o sofrimento de um animal.

Apenas o Esquerda.net entrevistou as organizadoras da manifestação, tendo a SIC, televisão onde não passam touradas, sido a única que mostrou imagens da manifestação. A TVI ignorou o protesto e a RTP fez uma reportagem em que deu oportunidade ao presidente da Prótoiro, José Reis, para lançar acusações falsas de supostos atos de violência por parte dos manifestantes. Nada de novo, já que a RTP se tem unido ao Jornal de Notícias e ao Correio da Manhã para dar tempo de antena ao empresário tauromáquico que se queixa de um “ecoterrorismo” que nunca existiu.

Tal como aconteceu com os chamados “indignados”, as manifestações anti-touradas têm sido capazes de quebrar o muro de silêncio mediático, através da internet e da comunicação boca-a-boca. Esta é a face mais visível de um novo tipo de ativismo pelos direitos dos animais, que funciona em rede, de forma descentralizada e democrática, e que rejeita a atitude legalista de quem acha que as causas se ganham em reuniões fechadas com governantes e não na rua. Um ativismo que tem crescido exponencialmente, tanto em número de pessoas como em reivindicações.

www.esquerda.net


“Viana do Castelo continuará a ser uma cidade anti-touradas, não há localização sequer para as receber”, disse Defensor Moura. Foto de ARMENIO BELO/LUSA

Viana continuará a ser cidade anti-touradas
Ex-autarca critica decisão de Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga que viabilizou tourada na cidade que proibira a realização desses eventos em 2009. Promotores da Prótoiro afirmam que “caiu a Catalunha portuguesa”. Câmara pretende continuar a aplicar a decisão que impede as touradas no concelho.

A comemoração dos dirigentes da comissão executiva da federação Prótoiro, que organizou a tourada este domingo em Viana do Castelo, afirmado ter-se tratado de um “dia histórico”, porque “caiu a Catalunha portuguesa”, mostra que o objetivo dos promotores era mais do que apenas realizar uma corrida de touros.

“Viana do Castelo continuará a ser uma cidade anti-touradas, não há localização sequer para as receber”, afirmou o ex-autarca Defensor Moura, que fez aprovar em 2009 a declaração de Viana como concelho sem touradas.

O ex-autarca considerou inadmissível a instalação da arena em terrenos classificados da freguesia de Areosa, por se tratar de uma área em que “nem um agricultor pode construir um casebre para guardar os seus utensílios”.

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga viabilizou a tourada, ao dar cinco dias à organização para se pronunciar sobre os argumentos do município no recurso que este apresentou contra a sua realização. Na prática, esta decisão permitiu a realização da tourada, na freguesia de Areosa, apesar de a câmara insistir que a instalação da arena amovível, para 3.300 pessoas, foi feita em terrenos de "elevado valor paisagístico", numa "violação grave" do Plano Diretor Municipal (PDM), da Reserva Ecológica Nacional e do Plano de Ordenamento da Orla Costeira.

A Câmara, presidida por José Maria Costa, do PS, mantém a declaração, aprovada em reunião de câmara a 27 fevereiro de 2009, de "antitouradas", ou seja não autorizando a realização de qualquer espetáculo do género em terrenos públicos ou privados.

“Não sabemos como é que vieram para aqui”

Rita Silva, presidente da Animal, associação que colaborou com a Câmara de Viana na elaboração da moção aprovada em 2009, disse que a organização já se ofereceu como testemunha na ação principal que se irá seguir à concessão pelo Tribunal de Braga da providência cautelar que permitiu a instalação da praça amovível para a realização da corrida:

“A federação decidiu 'pegar' com Viana para aborrecer porque nunca vieram para aqui. Não sabemos como é que vieram para aqui, com que meios. Há uma forte possibilidade de o terem conseguido por formas erradas. Nós vamos querer ir até ao fundo desta questão e descobrir porque é que o tribunal teve esta decisão que para além de imoral não é muito legal”, sustentou.

A Animal moveu atualmente uma ação contra a Prótoiro por difamação, coação e ofensa ao bom-nome da sua presidente, por ter distribuído uma “série de imagens” nas redes sociais com “textos com mentiras acusando-me de ser burlona e de estar a prejudicar a organização, em particular, e a causa da defesa dos animais, em geral”, disse Rita Silva.

No domingo, realizaram-se duas manifestações em Viana contra a realização da tourada – uma no centro da cidade no meio da tarde, com cerca de cem pessoas, e outra diante da arena com a participação de 300 pessoas.

www.esquerda.net/


publicado por Maluvfx às 12:10
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Corrida de touros realizou-se em Viana do Castelo apesar dos protestos da autarquia e população



Sob um coro de protestos, mas realizou-se a corrida de touros, em Viana do Castelo, e nem mesmo a presença da polícia junto à praça, evitou alguns confrontos.


publicado por Maluvfx às 06:25
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Domingo, 19 de Agosto de 2012
É MESMO MANIPULAÇÃO DA INFORMAÇÃO

A ATCT fez uma fotografia,com uma máquina certamente defeituosa, com um aspecto muito parcial da manifestação contra a tourada em Viana, e alguém pergunta se aquilo se podia chamar manipulação da informação. Posso afirmar que é mesmo manipulação da informação! Mesmo sendo um fotógrafo amadoríssimo consegui apanhar uma frente maior da manifestação (que ainda não é total) que anexo para quem as quiser comparar. Eu no local contei cerca de quatrocentos manifestantes anti touradas!
Defensor Moura


publicado por Maluvfx às 20:30
link do post | comentar | favorito
 O que é? |

Viana ensanguentada
Há quem queira fazer do dia 19 de Agosto de 2012 um dia importante para a sua liberdade pois dizem que esta regressou a Viana do Castelo devido à realização de uma tourada... ilegal. Eu tenho outra opinião... a liberdade de nos separamos dos ferrolhos impostos por uma elite sulista com a sua sede de sangue e sadismo, foi delapidada por uma associação que promove a violência e o mau trato dos animais, neste caso touros e cavalos, justificando-a de tradição nacional.
Esta tourada foi «validada» por uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga que autorizou a instalação de uma praça de tortura móvel em terrenos considerados como reserva por parte da Câmara Municipal de Viana do Castelo. Não vou discutir os detalhes judiciais de tal questão nem mesmo a decisão tomada pelo próprio tribunal. O facto de não sermos um país onde possamos exprimir livremente a nossa opinião acerca das decisões judiciais e devido ao facto do corporativismo protector das antigas profissões elitistas defender as tomadas de posição dos seus elementos, faz-me ter o bem senso de 38 anos após o Dia da Liberdade não exprimir a minha opinião para assim evitar chatices...

De facto, hoje temos Viana ensanguentada. Ensanguentada pela dor e sofrimento de touros e cavalos submetidos a um espectáculo de puro sadismo humano que a nossa lei cobre da mesma forma que um pedófilo estupra uma puta. É assim que vejo os políticos que se vergam para a frente perante a tauromafia que mancha este país de ignorantes que se satisfazem com os touros, o vinho e as putas, e que chegando aos seus lares abusam dos seus numa exibição de machismo paneleiresco. É este o verdadeiro retrato de Portugal, país de brandos costumes porque a maior parte da sua população permanece indiferente ao sofrimento alheio, seja ele humano ou não humano, e só se preocupa com as injustiças nos relvados ou com os floreados cor de rosa.

A hora de Portugal se levantar passou! Iremos permanecer eternamente neste limbo entre uma existência cheia de significado e valor, e uma existência efémera na qual não se deve olhar para o que não se gosta; na qual não temos coragem de defender quem não tem voz; e na qual iremos permanecer neste ciclo vicioso de governação que nos leva todos os dias cada vez para mais fundo nesta sociedade lodosa onde a vida de um animal nos passa ao lado, encandeados pelas berrantes cores dos torturadores e dos fortes que amarram animais já fracos como se uma prova de valentia se tratasse.

...Viana está ensanguentada e a culpa é de todos nós.

Fonte: www.carris-geres.blogspot.pt


publicado por Maluvfx às 11:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
 O que é? |


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

VOCÊ NA TV: TOURADA DE VO...

Manifestação Anti-tourada...

O Estado defensor da imor...

Como os aficionados contr...

Testemunhos de uma Vianen...

Como querem ser chamados?...

Viana manifesta-se contra...

Corrida de touros realizo...

É MESMO MANIPULAÇÃO DA IN...

Viana ensanguentada

arquivos

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Maio 2006

Dezembro 2005

Outubro 2003

Julho 2002

tags

todas as tags

favoritos

ANTI-TOURADAS

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds