Ética é o conjunto de valores, ou padrões, a partir dos quais uma pessoa entende o que seja certo ou errado e toma decisões. A ética é importante por que respeita os outros e a dignidade humana.

Domingo, 24 de Junho de 2012
Proteger os Menores é um Imperativo do Estado, Excepto Quando Respeita a Touradas
Da maioria dos deputados que pululam a Assembleia da República não há nada que possamos esperar no que respeita aos direitos dos animais e à abolição da tauromaquia. O que é inaceitável é a hipocrisia. A maioria parlamentar é contra a proibição de transmissão de touradas pelo canal público!

O canal que é pago por todos os contribuintes deste país.

Segundo estes senhores quem “não aprecia o espectáculo tauromáquico pega no telecomando e muda de canal”.

De facto existe um comando que permite a qualquer adulto mudar de canal se não apreciar o programa em questão. Mas nós perguntamo-nos e quando quem está a assistir é um menor? Porque o objectivo deste projecto de lei é precisamente evitar que menores assistam a programas violentos.

A tourada é um espectáculo violento essa é a realidade ainda que os aficionados proclamem o contrário. Torturar um animal numa praça pública para diversão é inaceitável, é violento e é inadmissível. Um Estado que se arroga em defensor dos direitos dos menores e depois permite que esses mesmos menores possam assistir pela televisão a programas deste teor, não é um Estado protectivo dos interesses desses menores, antes pelo contrário é um Estado permissivo quando permite este tipo de programas.

Um espectáculo tauromáquico não é um filme de ficção, na praça de touros, animais de carne e osso, tal como nós, estão a ser torturados com banderilhas, ferros compridos e curtos. No fim acabam nos curros até serem conduzidos ao matadouro mais próximo para serem abatidos. Se o Estado está verdadeiramente preocupado com as crianças e não quer que as mesmas sejam confrontadas com violência então só tem que proibir este tipo de espectáculos, especialmente no canal público que todos nós pagamos.

A TVE, canal público espanhol, desde 2006 que deixou de transmitir touradas e porquê? Para proteger os menores. Mas nós ainda continuamos na cauda da Europa.

Lei: Proposta do BE não será acolhida por PSD e CDS

Maioria mantém touradas na TV
Os partidos do Governo, PSD e CDS-PP, não estão receptivos à proposta de lei do BE, que quer impedir a RTP de transmitir touradas e limitar a exibição nos privados, SIC e TVI.

O tema vai ser debatido em plenário a 4 de Julho, mas, apesar de o BE contar com “o apoio do PS”, diz a deputada Catarina Martins, não tem o da maioria.

Proibir, dirigir o que as pessoas podem ver, enfim, condicionar, não respeita a liberdade de escolha”, explica ao CM Raul de Almeida. Para o deputado do CDS-PP, quem não aprecia o espectáculo tauromáquico pega no telecomando e muda de canal”.

Opinião partilhada pelo PSD. Para a deputada Francisca Almeida, “não faz sentido mudar a lei”. “Compreendemos quem está contra, mas mantemos a nossa posição de equilíbrio relativamente a esta matéria e, nessa linha, não faz sentido.”

Ainda assim, PSD e CDS garantem estar a tratar com “todo o rigor e dignidade os projectos”. “Também temos colegas da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias e ainda a Comissão da Cultura a analisar com toda a atenção as propostas, uma vez que há matérias que estão no âmbito do seu trabalho”, revela ao CM Raul de Almeida.

O BE diz que a lei não é clara nesta matéria, pelo que propõe que “a RTP não transmita touradas” e que a exibição na SIC e TVI seja apenas “após as 22h30 e com a ‘bolinha vermelha’, com o objectivo de proteger as pessoas que sejam mais sensíveis”, explica Catarina Martins.


publicado por Maluvfx às 19:42
link do post | comentar | favorito

Sábado, 23 de Junho de 2012
Os Pró-Touradas Deixam Cair a Máscara
Dia 22 de Junho, audição pública na Assembleia da República para apresentação de dois projectos de lei do Bloco de Esquerda sobre touradas. Os aficionados apelaram em redes sociais e websites à mobilização geral. A palavra de ordem era todos à Assembleia da República para mostrar que não aceitamos que toquem nas nossas “tradições” e “cultura”. Não podem segundo eles coartar a liberdade, deles, de assistiram à tortura de um animal numa praça de touros.

Os poucos que compareceram mostraram a sua verdadeira cultura que passou por ameças a deputados e insultos. Caiu-lhes a máscara.
Mostraram finalmente aquilo que são na realidade. Um bando de pessoas agressivas e violentas. Nada que possa espantar vindo de pessoas que se movimentam num mundo de violência. Porque torturar e aplaudir a tortura é próprio de pessoas violentas e agressivas.

Esperemos que os deputados deste país tenham percebido de uma vez por todas com que tipo de gente estão a lidar e se deixem de vergar a lobbies tauromáquicos. Que o dia de ontem sirva de lição para o país. O mundo da tauromaquia é um mundo povoado por pessoas violentas, agressivas e que não respeitam ninguém especialmente quando o que está em causa é a perda de subsídios do Estado e o seu negócio sangrento.

Audição pública do BE sobre touradas marcada por insultos e ameaças

Um aceso confronto de argumentos pró e contra as touradas, pontuado por insultos e ameaças, marcou esta sexta-feira a audição pública convocada pelo Bloco de Esquerda para debater o fim do apoio institucional a espetáculos tauromáquicos.

Esta matéria consta de um dos dois projetos de lei apresentados pelo BE – no outro, defende-se que seja proibida a exibição de touradas na televisão pública – que serão debatidos na Assembleia da República a 4 de julho.

A sessão começou logo com um incidente. Enquanto a deputada bloquista Catarina Martins explicava o conteúdo dos dois projetos de lei, uma assessora do BE tirou uma foto à plateia, onde se encontravam cerca de 70 pessoas, e vários dos elementos pró-tourada insurgiram-se de imediato, exigindo que a fotografia fosse eliminada à frente deles.

Após uma inflamada troca de palavras, contentaram-se, a contragosto, com a garantia do deputado bloquista que moderava o debate, Pedro Filipe Soares, de que a imagem seria apagada.

Então, é consigo que eu venho falar se a fotografia sair amanhã no jornal”, rematou um dos indignados fotografados.

Depois, seguiu-se hora e meia de intervenções de representantes de associações e movimentos e de algumas pessoas que falavam a título individual, algumas de tom mais sério, com posições fundamentadas, outras mais revoltadas e sarcásticas, com acusações e interrupções de parte a parte, recebidas com palmas e “olés” no final.

Catarina Martins sublinhou, no início da sessão e depois, novamente, no final, que nenhum dos projetos de lei do Bloco de Esquerda “sugere a proibição das touradas”, embora a realidade dos maus-tratos infligidos aos animais “não seja subjetiva”, porque existe conhecimento científico sobre o sofrimento animal.

A única coisa que o BE defende, nestes seus projetos de lei, é que o Estado, o dinheiro público, não deve financiar a exposição do sofrimento animal” e que a RTP não deve exibir espetáculos tauromáquicos, frisou.

Com estas leis, ninguém fica proibido de fazer touradas, assistir a touradas ou mesmo transmiti-las em circuito fechado, onde bem lhe aprouver. O que está aqui em causa é o apoio público”, insistiu.

Apesar destes esclarecimentos, houve quem defendesse que, como a tourada faz parte da herança cultural portuguesa, acabar com ela seria “uma medida ditatorial”, que as pessoas que se manifestam em locais públicos contra a realização de touradas são pagas, recebendo 25 euros cada uma, e que “quem gosta de toiros não é atrasado mental” – embora ninguém, durante a sessão, tenha assim designado os apoiantes da tourada.

Um acérrimo defensor da causa tauromáquica chegou mesmo a insultar a presidente da Associação ANIMAL, Rita Silva, que falara antes, acusando-a de “falta de inteligência”.

Um outro, José Reis, representante da Prótoiro – Federação Portuguesa das Associações Taurinas, classificou o debate como “do mais demagógico” a que tem assistido, porque não só “não há apoios públicos à tauromaquia”, sustentou, como “as associações de animais vivem à custa da tauromaquia”.

Por sua vez, o secretário-geral da Associação Nacional de Proprietários e Produtores de Caça (ANPC), João Carvalho, manifestou a sua preocupação com o facto de, a serem aprovados estes projetos, “atividades intimamente ligadas aos espaços rurais não poderem receber apoios públicos”.

Catarina Martins respondeu-lhe no final: “Há atividades ligadas à tauromaquia, sejam agrícolas ou de preservação de certos ecossistemas, cuja importância nós reconhecemos e respeitamos – apenas queremos que o Estado deixe de financiar um espetáculo de violência sobre os animais”.

Audição pública do BE sobre touradas marcada por insultos e ameaças


publicado por Maluvfx às 19:26
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18 de Março de 2010
Moesch propõe criação do dia Segunda sem Carne


  
O projeto de lei protocolado na Câmara de Porto Alegre sugere que residências e restaurantes optem por refeições vegetarianas todas as segundas-feiras.
  
Divulgação SVBPOA    

Por Helena Dutra - Gabinete Vereador Beto Moesch
O vereador Beto Moesch (PP) protocolou projeto de lei para instituir em Porto Alegre  o dia  “Segunda sem Carne”. Pela proposta, residências, restaurantes e demais estabelecimentos que comercializam gêneros alimentícios serão convidados a optar por refeições vegetarianas todas as segundas-feiras. 

“O objetivo é promover mais reflexão e conscientização sobre o consumo excessivo de carne. A dieta vegetariana é ecológica, saudável, ética e compassiva. Precisamos disseminá-la o máximo possível entre a população”, defende o parlamentar. 

A iniciativa conta com o apoio da Sociedade Vegetariana Brasileira, idealizadora da campanha nacional “Segunda sem Carne”, já adotada pelo governo de metrópoles como São Paulo.

A medida também procura promover o veganismo, filosofia de vida baseada nos direitos animais, cujos adeptos procuram não consumir produtos nem participar de atividades em que há exploração ou uso de bichos, excluindo os alimentos de origem animal.  
Vegetarianismo e saúde 
O vereador aponta dados científicos que indicam relações positivas entre a dieta vegetariana e a redução do risco de várias doenças e condições degenerativas crônicas, como obesidade, doença arterial coronariana, hipertensão, diabete e alguns tipos de câncer.

Ele menciona a posição da Associação Dietética Americana, segundo a qual as dietas vegetarianas apropriadamente elaboradas são saudáveis, adequadas em termos nutricionais e apresentam benefícios para a saúde na prevenção e no tratamento de doenças.

Do mesmo modo, faz referência ao “Guia alimentar para a população brasileira”, editado em 2006 pelo Ministério da Saúde, que alerta que uma alimentação rica em proteínas animais contém altos teores de gorduras totais e saturadas, e, portanto, pode não ser saudável. 
Impactos no meio ambiente 
“A expansão da pecuária na Amazônia, no Cerrado, na Caatinga e em parte da Mata Atlântica é uma das principais causas da sua degradação. Soma-se a isso o crescimento da pesca industrial predatória, comprometendo ecossistemas marinhos significativos”, revela Moesch.
Além disso, de acordo com pesquisa da Organização das Nações Unidas, cerca de 18% da emissão dos gases causadores do aquecimento global são gerados pela produção de carnes em larga escala.

Maus-tratos aos animais

A exploração dos animais é mais um motivo para a proposição. “Não podemos esquecer que os animais sentem dor, prazer, alegria, tristeza, medo e afeto, assim como os seres humanos. O modo como são tratados no sistema de criação intensiva, confinados e manipulados como meras mercadorias, é extremamente cruel”, argumenta Moesch. 
EcoAgência


publicado por Maluvfx às 16:17
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 11 de Março de 2010
10 mil assinaturas pela Promotoria de Defesa Animal

InfoSentiens
 
10/03/2010


 
A campanha "Direitos animais, uma questão de JUSTIÇA" já recebeu o apoio de mais de 10 mil pessoas.
 
Precisamos de mais! Participe!
Assine a petição para que o Ministério Público apresente projeto de lei para a criação da Promotoria de Defesa Animal. E para que os senhores deputados estaduais o aprovem.
Acesse http://www.sentiens.net/promotoria-de-defesa-animal/peticao


publicado por Maluvfx às 15:19
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010
Portaria 15/88 da ANVISA: crueldade total contra animais


Quem utiliza produtos de limpeza antimicrobianos mal sabe que muita tortura e matança foram promovidas para que eles fossem autorizados a chegar às prateleiras. Isso graças à Portaria 15/88 da ANVISA, que se soma à 1480/90 do Ministério da Saúde no hall de normas que obrigam a prática industrial de crueldade extrema contra animais.
Para muitos não é nenhuma novidade que o Governo Federal não se importa nem um pouco em promover e apadrinhar a exploração animal, uma vez que apoia rodeios e vaquejadas, mantém toda uma estrutura de assistência à pecuária via Embrapa, regozija-se por fazer do Brasil um dos maiores exportadores de carnes, se não o maior, do mundo, entre outros atos, mas a 15/88 (numeração coincidentemente próxima em número e violência ao código numérico “14/88” utilizado por neonazistas) ainda lhes era, até a leitura deste artigo, uma desconhecida. Aliás, hoje nem as ONGs de defesa animal estão cientes da crueldade dessa portaria.
A portaria trata, segundo sua ementa não-oficial, de determinar “que o registro de produtos saneantes domissanitários com finalidade antimicrobiana seja procedido de acordo com as normas regulamentares” – por “produtos saneantes domissanitários” leia-se produtos de limpeza doméstica ou hospitalar. Condiciona o registro sanitário desse tipo de produto a uma regulamentação, que inclui testes de eficácia e segurança.
O Artigo 1º da portaria determina que o registro desses itens seja procedido de acordo com as normas regulamentares anexas à presente. O anexo dela é que traz todos os regulamentos. Dentro deste, a seção VIII, “Avaliação tecnológica”, afirma no item 1 que “a avaliação tecnológica dos princípios ativos não listados no SUBANEXO 1 será efetuada com base nos testes constantes do SUBANEXO 4, de acordo com suas características físicas e toxicológicas, considerando as finalidades e instruções de uso”, e seu item 2 fala que “a classificação de risco dos produtos saneantes domissanitários com ação ANTIMICROBIANA será efetuada tomando-se por base os testes toxicológicos agudos do SUBANEXO 4 de acordo com a forma de apresentação, as finalidades e instruções de uso“.
E é esse subanexo 4 o centro das atenções neste artigo, pois é ele que especifica os testes a serem feitos, entre eles diversos procedimentos muito cruéis. Aliás, está claro na portaria que os testes devem ser estritamente os contidos no subanexo 4, não havendo abertura para procedimentos alternativos que tenham a mesma eficácia.
Dos 18 testes contidos no macabro subanexo, apenas três não especificam dever ser feitos em animais. Comento brevemente cada um dos outros 15 abaixo, você terá a noção de toda a barbárie que a portaria obriga que seja promovida.
“- toxicidade aguda por via oral para ratos, com valores de DL50 e descrição dos sintomas observados.
- toxicidade aguda por via dérmica para ratos, com valores de DL50 e descrição dos sintomas observados.
- toxicidade aguda por via inalatória para ratos, com valores de CL50 e descrição da sintomatologia observada. “
Esses testes de toxicidade consistem em envenenar ratos com o produto a ser testado, para se avaliar o quanto sofrerão. Há também a intenção de matar metade dos animais, visto que estão incluídos os famigerados procedimentos de DL50 (dose letal) e CL50 (concentração letal), que matarão metade de uma população de bichos – e, menos obviamente, provocarão sofrimento descomunal na parcela sobrevivente.
Populações distintas de ratinhos são obrigadas a engolir, a absorver pela pele ou a inalar esses venenos. Uns morrerão com muita agonia, outros sofrerão muito, e não há nenhuma preocupação em curá-los. A ética é zero nesses testes. São apenas ratos, e ratos não valem nada fora a sangrenta importância atribuída por esses procedimentos, pensam os Doutores Frankenstein envolvidos.
“- testes de irritabilidade da pele e olhos em coelhos, sendo dispensável no caso de produtos com pH igual ou inferior a 2 ou igual ou superior a 11,5, enquadrados automaticamente na classe de risco I (corrosivos). “
Já imaginou você, preso numa mesa, tendo seus olhos feridos e sua pele queimada por uma equipe de cientistas loucos? Os olhos ardendo muito, queimando insuportavelmente, e você não podendo sequer esfregar-lhes as mãos... A pele irritada, aquele ardor que não acaba mais, a severa vermelhidão, o aparecimento de bolhas na queimadura... Você sofrendo muito com a dor, à beira da loucura, debatendo-se preso na mesa, sem poder se soltar...
É isso que acontece nesses testes de irritabilidade que forçam em coelhos, pelo menos nos produtos mais inseguros. O sofrimento é terrível. E tudo sob a batuta da ANVISA, que se preocupa muito com a segurança do consumidor, nem que isso signifique torturar de forma hedionda e, por que não, criminosa de animais. Esse tipo de teste é o que se caracteriza de forma mais explícita como tortura.
“- teste de sensibilização dérmica em cobaias.“
Esse teste consiste em expor a pele do bichinho a baixas concentrações do produto, seja por contato direto seja por injeção intradérmica, para verificar a reação imunológica. A pele pode ficar ou não sensível – leia-se mais suscetível a sentir dor, assim como um dente sensível seu começa a doer quando você toma algo gelado.
“- testes para verificação de mutagenicidade ‘in vitro’ e ‘in vivo’.”
Mutagenicidade é a capacidade de causar mutações nos animais. Os filhotes do animal poderão sofrer mutações ao longo de sua miserável vida, ter seu corpo deformado, por causa das substâncias testadas. Atente-se que se fala de teste “in vitro” E “in vivo”. Ou seja, animais terão que ser explorados e torturados de modo que seus descendentes sofram mutações aberrantes.
“- teste de toxicidade sub-crônica (noventa dias) via oral, em ratos.“
É um teste não letal que intoxica os ratinhos em doses médias, durante um longo inferno de noventa dias. Os animais poderão sofrer diversos sintomas análogos a doenças, tais como diarreia, atrofias digestivas e outras reações tóxicas. Novamente o ser humano mostra toda a sua crueldade e perversidade em causar muito sofrimento a outrem de outra espécie pelo bem de sua própria.
“- teste para avaliação do metabolismo e excreção, em ratos.”
Ao que me parece, é um teste que mostra como os animais envenenados irão processar as substâncias do produto em seu metabolismo orgânico e na excreção delas.
“- teste para verificação de efeitos teratogênicos em ratos e coelhos.”
Isso é uma verificação de como o produto, absorvido pelo organismo envenenado desses animais, irá prejudicar o desenvolvimento dos seus filhotes, se estes nascerão deformados. Crueldade pouca é bobagem em se tratando de envenenar uma mãe para vê-la dar à luz bebês-monstro. O que esses Doutores Frankenstein achariam se, por exemplo, criminosos forçassem suas esposas a ingerir talidomida e elas dessem à luz crianças mutiladas? Achariam uma barbárie, o pior crime que poderiam sofrer. Mesmo sabendo que fazem exatamente a mesma coisa com ratas e coelhas.
“- teste para verificação de efeitos carcinogênicos em camundongos e ratos, via oral, com duração não inferior a 18 e 24 meses, respectivamente”
Este é um dos mais cruéis, ao lado dos testes de toxicidade aguda e de irritabilidade ocular e dérmica. Verifica se a substância causa câncer nos animais, e dura não menos que um ano e meio. Ao final desse período de venenosa tortura, o produto poderá ou não causar um câncer que matará dolorosamente os bichinhos.
“- teste para avaliação de toxicidade crônica, via oral, com espécie roedora e outra não roedora.”
Leia de novo: toxicidade crônica. Mais um teste de envenenamento, mortal ou não, que provocará muita dor e sofrimento.
“- teste para verificação de efeitos nocivos ao processo reprodutivo, em ratos, por, no mínimo, 2 gerações.”
Este teste verifica se animais envenenados terão sua capacidade reprodutiva prejudicada. Quem quer ter filhos acharia um crime ser envenenado e se tornar estéril. Esses toxicólogos loucos não gostariam nunca que isso acontecesse com eles, mas, por falta de empatia deles e pela falta de ética com animais não-humanos por parte da ANVISA, a qual segue a mentalidade de que animais domesticados nasceram para ser livremente escravizados e torturados, fazem essa barbaridade em animais sem pensar duas vezes.
“- teste para verificação de toxicidade dérmica sub-aguda (vinte e um dias), em ratos ou coelhos.
- teste para verificação de toxicidade inalatória sub-aguda (quatorze a vinte e um dias), em ratos.
“- teste para verificação de toxicidade dérmica sub-crônica (noventa dias) em coelhos ou ratos.”
Também não intencionam ser testes mortais, mas promovem envenenamento por períodos muito prolongados. Os bichos viverão com as substâncias dos produtos de limpeza enfiadas em seu corpo por de duas a treze semanas de pura tortura envenenadora e muito sofrimento.
Os absurdos da portaria não param por aí. O subanexo 5 lista algumas das consequências que podem se abater sobre os animais torturados. Na pior categoria em que os produtos podem ser enquadrados, a classe I, a dose/concentração capaz de matar metade da população de animais envenenados é bastante baixa e as lesões infligidas são gravíssimas: “capacidade de córnea e/ou irite (inflamação da íris) irreversível em 7 dias, corrosão(!), ulceração” (lesões oculares), “eritema (vermelhidão da pele) severo persistente por 72 horas, edema (formação de bolhas) moderado a severo por 72 horas”.
As entidades estatais de saúde e vigilância sanitária mostram como são perversas, diabólicas e impiedosas para com animais, não se importando com qualquer direito seu – nem mesmo o de não sofrer crueldade e abusos, previsto na Constituição e no Artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais –, e advogam em favor de sua tortura em prol da segurança humana.
E o pior de tudo é que, como a portaria não permite que sejam realizados testes alternativos que não explorem animais, não há a possibilidade de se encontrar produtos antimicrobianos livres de crueldade no mercado, nem mesmo a chance de se boicotar produtos de limpeza testados em bichos.
O que resta fazer no momento é promover o crescimento e amadurecimento do ativismo em defesa dos animais no Brasil até o ponto em que, assim como na Europa, onde há um grande e maduro movimento de direitos animais, sejam forçadas a abertura para procedimentos sem a exploração e tortura de bichos e, finalmente, a proibição de testes cruéis.

Fonte


publicado por Maluvfx às 22:24
link do post | comentar | favorito


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Proteger os Menores é um ...

Os Pró-Touradas Deixam Ca...

Moesch propõe criação do ...

10 mil assinaturas pela P...

Portaria 15/88 da ANVISA:...

arquivos

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Maio 2006

Dezembro 2005

Outubro 2003

Julho 2002

tags

todas as tags

favoritos

ANTI-TOURADAS

links
blogs SAPO
subscrever feeds