Ética é o conjunto de valores, ou padrões, a partir dos quais uma pessoa entende o que seja certo ou errado e toma decisões. A ética é importante por que respeita os outros e a dignidade humana.

Domingo, 24 de Junho de 2012
Proteger os Menores é um Imperativo do Estado, Excepto Quando Respeita a Touradas
Da maioria dos deputados que pululam a Assembleia da República não há nada que possamos esperar no que respeita aos direitos dos animais e à abolição da tauromaquia. O que é inaceitável é a hipocrisia. A maioria parlamentar é contra a proibição de transmissão de touradas pelo canal público!

O canal que é pago por todos os contribuintes deste país.

Segundo estes senhores quem “não aprecia o espectáculo tauromáquico pega no telecomando e muda de canal”.

De facto existe um comando que permite a qualquer adulto mudar de canal se não apreciar o programa em questão. Mas nós perguntamo-nos e quando quem está a assistir é um menor? Porque o objectivo deste projecto de lei é precisamente evitar que menores assistam a programas violentos.

A tourada é um espectáculo violento essa é a realidade ainda que os aficionados proclamem o contrário. Torturar um animal numa praça pública para diversão é inaceitável, é violento e é inadmissível. Um Estado que se arroga em defensor dos direitos dos menores e depois permite que esses mesmos menores possam assistir pela televisão a programas deste teor, não é um Estado protectivo dos interesses desses menores, antes pelo contrário é um Estado permissivo quando permite este tipo de programas.

Um espectáculo tauromáquico não é um filme de ficção, na praça de touros, animais de carne e osso, tal como nós, estão a ser torturados com banderilhas, ferros compridos e curtos. No fim acabam nos curros até serem conduzidos ao matadouro mais próximo para serem abatidos. Se o Estado está verdadeiramente preocupado com as crianças e não quer que as mesmas sejam confrontadas com violência então só tem que proibir este tipo de espectáculos, especialmente no canal público que todos nós pagamos.

A TVE, canal público espanhol, desde 2006 que deixou de transmitir touradas e porquê? Para proteger os menores. Mas nós ainda continuamos na cauda da Europa.

Lei: Proposta do BE não será acolhida por PSD e CDS

Maioria mantém touradas na TV
Os partidos do Governo, PSD e CDS-PP, não estão receptivos à proposta de lei do BE, que quer impedir a RTP de transmitir touradas e limitar a exibição nos privados, SIC e TVI.

O tema vai ser debatido em plenário a 4 de Julho, mas, apesar de o BE contar com “o apoio do PS”, diz a deputada Catarina Martins, não tem o da maioria.

Proibir, dirigir o que as pessoas podem ver, enfim, condicionar, não respeita a liberdade de escolha”, explica ao CM Raul de Almeida. Para o deputado do CDS-PP, quem não aprecia o espectáculo tauromáquico pega no telecomando e muda de canal”.

Opinião partilhada pelo PSD. Para a deputada Francisca Almeida, “não faz sentido mudar a lei”. “Compreendemos quem está contra, mas mantemos a nossa posição de equilíbrio relativamente a esta matéria e, nessa linha, não faz sentido.”

Ainda assim, PSD e CDS garantem estar a tratar com “todo o rigor e dignidade os projectos”. “Também temos colegas da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias e ainda a Comissão da Cultura a analisar com toda a atenção as propostas, uma vez que há matérias que estão no âmbito do seu trabalho”, revela ao CM Raul de Almeida.

O BE diz que a lei não é clara nesta matéria, pelo que propõe que “a RTP não transmita touradas” e que a exibição na SIC e TVI seja apenas “após as 22h30 e com a ‘bolinha vermelha’, com o objectivo de proteger as pessoas que sejam mais sensíveis”, explica Catarina Martins.


publicado por Maluvfx às 19:42
link do post | comentar | favorito

Sábado, 23 de Junho de 2012
Os Pró-Touradas Deixam Cair a Máscara
Dia 22 de Junho, audição pública na Assembleia da República para apresentação de dois projectos de lei do Bloco de Esquerda sobre touradas. Os aficionados apelaram em redes sociais e websites à mobilização geral. A palavra de ordem era todos à Assembleia da República para mostrar que não aceitamos que toquem nas nossas “tradições” e “cultura”. Não podem segundo eles coartar a liberdade, deles, de assistiram à tortura de um animal numa praça de touros.

Os poucos que compareceram mostraram a sua verdadeira cultura que passou por ameças a deputados e insultos. Caiu-lhes a máscara.
Mostraram finalmente aquilo que são na realidade. Um bando de pessoas agressivas e violentas. Nada que possa espantar vindo de pessoas que se movimentam num mundo de violência. Porque torturar e aplaudir a tortura é próprio de pessoas violentas e agressivas.

Esperemos que os deputados deste país tenham percebido de uma vez por todas com que tipo de gente estão a lidar e se deixem de vergar a lobbies tauromáquicos. Que o dia de ontem sirva de lição para o país. O mundo da tauromaquia é um mundo povoado por pessoas violentas, agressivas e que não respeitam ninguém especialmente quando o que está em causa é a perda de subsídios do Estado e o seu negócio sangrento.

Audição pública do BE sobre touradas marcada por insultos e ameaças

Um aceso confronto de argumentos pró e contra as touradas, pontuado por insultos e ameaças, marcou esta sexta-feira a audição pública convocada pelo Bloco de Esquerda para debater o fim do apoio institucional a espetáculos tauromáquicos.

Esta matéria consta de um dos dois projetos de lei apresentados pelo BE – no outro, defende-se que seja proibida a exibição de touradas na televisão pública – que serão debatidos na Assembleia da República a 4 de julho.

A sessão começou logo com um incidente. Enquanto a deputada bloquista Catarina Martins explicava o conteúdo dos dois projetos de lei, uma assessora do BE tirou uma foto à plateia, onde se encontravam cerca de 70 pessoas, e vários dos elementos pró-tourada insurgiram-se de imediato, exigindo que a fotografia fosse eliminada à frente deles.

Após uma inflamada troca de palavras, contentaram-se, a contragosto, com a garantia do deputado bloquista que moderava o debate, Pedro Filipe Soares, de que a imagem seria apagada.

Então, é consigo que eu venho falar se a fotografia sair amanhã no jornal”, rematou um dos indignados fotografados.

Depois, seguiu-se hora e meia de intervenções de representantes de associações e movimentos e de algumas pessoas que falavam a título individual, algumas de tom mais sério, com posições fundamentadas, outras mais revoltadas e sarcásticas, com acusações e interrupções de parte a parte, recebidas com palmas e “olés” no final.

Catarina Martins sublinhou, no início da sessão e depois, novamente, no final, que nenhum dos projetos de lei do Bloco de Esquerda “sugere a proibição das touradas”, embora a realidade dos maus-tratos infligidos aos animais “não seja subjetiva”, porque existe conhecimento científico sobre o sofrimento animal.

A única coisa que o BE defende, nestes seus projetos de lei, é que o Estado, o dinheiro público, não deve financiar a exposição do sofrimento animal” e que a RTP não deve exibir espetáculos tauromáquicos, frisou.

Com estas leis, ninguém fica proibido de fazer touradas, assistir a touradas ou mesmo transmiti-las em circuito fechado, onde bem lhe aprouver. O que está aqui em causa é o apoio público”, insistiu.

Apesar destes esclarecimentos, houve quem defendesse que, como a tourada faz parte da herança cultural portuguesa, acabar com ela seria “uma medida ditatorial”, que as pessoas que se manifestam em locais públicos contra a realização de touradas são pagas, recebendo 25 euros cada uma, e que “quem gosta de toiros não é atrasado mental” – embora ninguém, durante a sessão, tenha assim designado os apoiantes da tourada.

Um acérrimo defensor da causa tauromáquica chegou mesmo a insultar a presidente da Associação ANIMAL, Rita Silva, que falara antes, acusando-a de “falta de inteligência”.

Um outro, José Reis, representante da Prótoiro – Federação Portuguesa das Associações Taurinas, classificou o debate como “do mais demagógico” a que tem assistido, porque não só “não há apoios públicos à tauromaquia”, sustentou, como “as associações de animais vivem à custa da tauromaquia”.

Por sua vez, o secretário-geral da Associação Nacional de Proprietários e Produtores de Caça (ANPC), João Carvalho, manifestou a sua preocupação com o facto de, a serem aprovados estes projetos, “atividades intimamente ligadas aos espaços rurais não poderem receber apoios públicos”.

Catarina Martins respondeu-lhe no final: “Há atividades ligadas à tauromaquia, sejam agrícolas ou de preservação de certos ecossistemas, cuja importância nós reconhecemos e respeitamos – apenas queremos que o Estado deixe de financiar um espetáculo de violência sobre os animais”.

Audição pública do BE sobre touradas marcada por insultos e ameaças


publicado por Maluvfx às 19:26
link do post | comentar | favorito


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Proteger os Menores é um ...

Os Pró-Touradas Deixam Ca...

arquivos

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Maio 2006

Dezembro 2005

Outubro 2003

Julho 2002

tags

todas as tags

favoritos

ANTI-TOURADAS

links
blogs SAPO
subscrever feeds